San Pedro de Atacama – Dias 1 e 2

Dia 1

Como cheguei tarde em Atacama, fiz check in no albergue, fui comprar água e em seguida ‘almoçar’.

Depois fui procurar agência para passeios, cotei em algumas para pesquisar os preços.

Comprei empanadas e voltei para o hostel.

Dia 2

De manhã fechei todos os passeios com agência Turistour. Falei com a brasileira Tais, muito simpática e solícita.

Nesta tarde queria ter feito o passeio para os vales, mas como não tinha mais vaga, aproveitei para conhecer o centro, as ruas principais e aclimatizar, pois não queria fazer os tours pesados nos primeiros dias.

Este era meu maior medo, o famoso soroche, o mal das alturas. A cidade de São Pedro de Atacama está a 2.400 metros acima do nível do mar… E os que sofrem do mal podem ter sintomas como: dor de cabeça, falta de apetite, náuseas, tontura, enjoo. O corpo pode demorar de 48 horas a 2 semanas para se acostumar à altura.

Um dia antes de viajar já tinha tomado chá de coca. É bom beber nos primeiro dias em Atacama, na noite anterior e na manhã antes de sair para os passeios em grandes alturas (Lagunas Altiplânicas, Gêiser del Tatio e Salar de Tara), além de deixar para fazê-los nos últimos dias da viagem, quando o corpo está mais acostumado.

Ao chegar no aeroporto de Calama, já me deu falta de ar e taquicardia, que durou até o dia seguinte. Você sente o coração batendo, parece que vai explodir! E tenta, tenta puxar ar para os pulmões, mas parece que algo impede (e impede mesmo, né? já que o ar é rarefeito)

Comprei um remédio chamado Diamox, de tanto que li que era bom, que alguns alpinistas tomavam, que era bom começar a tomar 48 hs. antes de viajar, mas acabei não tomando por medo dos efeitos colaterais e por não ter falado com meu médico antes (é sempre o melhor a fazer)… Alguns sites comentam que a medicação pode ser tomada quando estiver sentido os efeitos do mal da altitude. Mas, de novo, melhor falar com um médico antes.

À tarde visitei o Museu Arqueológico Gustavo Le Paige.

_DSC0059

_DSC0090

Não é muuuito grande, mas fornece um panorama histórico da região sobre assuntos que envolvem a formação arqueológica, dos nativos, vegetação e etc. O local recebeu o nome do padre holandês, que até hoje causa polêmica, devido às suas ações na região.

_DSC0096

_DSC0100

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s