Arquivo da categoria: história

Passada rapidinha por Brasília/ DF

Tive um compromisso rápido por BSB, só deu tempo de conhecer lugares ao redor de onde fiquei hospedada (SQN 104) e dar um rolezinho pela Esplanada.

Ainda estou com dificuldade de entender a numeração da cidade. Depois que se entende, deve ser mega prático e fácil.

=)

Na asa norte tem uma parte que é comércio e a outra é residencial, prédios baixinhos, cada quadra com estética diferente de textura e cor dos prédios. Fofo!

img_2087img_2042img_2003

 

Comecei a bater perna pela Catedral, estava louca para ver o lugar in loco. E realmente é mara, tudo impressiona, apesar de pequena.

img_2150img_2400

Depois fui caminhando pelos ministérios até chegar ao Palácio do Itamaraty, tentei visitar o museu, mas estava vestindo shorts (na minha opinião, era bermuda, mas tudo bem, fica pra próxima), e não rolou (de fim de semana, pode).

img_2401

 

Logo à frente, à esquerda, está o imponente Congresso Nacional.

img_2245img_2195

Descendo, chega-se até a Praça dos Três Poderes.

À direita, fica o Supremo Tribunal Federal.

img_2407img_2203

 

No meio, o Panteão da Liberdade (não entrei porque o céu já estava ficando escuro por conta da chuva). Vi que atrás tem um parque.

A estrutura branca com duas peças foi feita para remeter à imagem de uma pomba.

img_2212img_2223

À esquerda (foto abaixo), o Palácio do Planalto.img_2229.

Subi pelo outro lado (lateral do Congresso), que dá para o Palácio da Justiça.

img_2237

Continuei andando do outro lado do “Eixão”, até chegar na altura da Catedral e atravessei para visitar o Museu Nacional.

Confesso, não tinha ouvido falar, vi sem querer, quando desci para ir à Catedral.

E que bom, pois me surpreendeu! Está tendo a expô “Onde anda a onda”, de artistas brasilienses.

Muita coisa interessante. Quis trazer algumas peças para casa… rs

img_2409

img_2394img_2388img_2383img_2359img_2635img_2281

O espaço dentro é gigante! Super super super indico!!!

 

Em frente fica a Biblioteca Nacional.

img_2406

 

Não consegui ir no CCBB, Caixa Cultural, Parque da Cidade…

Mas o local que queria ter passado sem falta foi na Torre da TV, é pra ser visitado no fim da tarde… Ficará pra próxima.

 

A imagem abaixo não é do fim da tarde, mas do nascer do sol… Aliás, o céu de Brasília é uma coisa massa!

img_1989

 

Serviço

  • Primeira vez que fui de AirBnB, dei sorte! Tudo certo.
  • Uber super funciona (para sair do aeroporto, inclusive). Use!
  • Pelos poucos lugares que andei, achei muito seguro, inclusive para andar com celular na mão.
  • Alimentação um pouco mais cara que São Paulo…

Redinha (RN)

img_9562

Logo que cheguei em Natal, isso no início de 2011, ouço o povo dizer: “Você precisa ir pra Redinha comer a original ‘ginga com tapioca'”.

Só que, nunca ninguém me levou! rs

Precisou eu estar com passagem comprada para voltar para SP de mala e cuia para os meus amigos finalmente me levarem para experimentar a iguaria.

Tapioca todo mundo conhece, ginga talvez não. Trata-se de um peixinho, primo da manjuba. E esse prato só é vendido na Redinha? Não, na praia geralmente passam vendedores oferecendo, mas todo mundo fala que não é igual à da Redinha.

Redinha é uma praia que fica na ZN de Natal, precisa-se passar pelo Forte dos Reis Magos (fiquei triste de não ter feito um último passeio lá) e atravessar a ponte nova. Do alto já dá pra ver a Redinha de um lado e o rio Potengi do outro.

Fomos num domingo. Acompanhei os amigos na missa (não sou católica praticante, mas adoro os rituais religiosos). A igreja é linda, toda de pedra, da década de 1950, acho. Quase em frente tem outra azul, mas parece que está fechada.

De lá, seguimos à pé para o famoso Mercado da Redinha. Lá dentro tem vários lugares que vendem o prato. Fomos no da Olga, que dizem ser o mais conhecido e gostoso.

A tapioca pode ser com ou sem leite de côco. Como gosto da massa mais molhadinha, pedi a primeira opção. Vem a tapioca com os peixinhos no meio, você tira o pauzinho que segura os peixes e manda ver!  Repeti de tão bom que tava (e esqueci de tirar fotos…)

Dica: Se quiser sossego, vá antes do almoço, porque depois fica muvucado.

Depois fomos caminhar no píer, que separa o rio do mar. Ô lugar massa! Dá pra passar o dia todo lá… Que lugar lindo… Uma vista mais fodástica do que a outra.

img_9494

 

Depois fomos para a praia que tava super vazia. No fundo da foto abaixo dá pra ver o píer.

Vidinha chata e sem futuro… #sqn

img_9569

 

 

Tese > Koreeda

10878399_ori

Foram quase quatro anos para a conclusão da tese.

Praticamente três anos lendo, assistindo e escrevendo sobre assuntos que tivessem relação (direta ou não) com o doutorado, que teve como tema o longa-metragem Seguindo em frente, do muso japonês Hirokazu Koreeda.

Tive dias felizes, e outros em que, por diversos motivos, pensei em desistir, achei que não daria conta. Loucura fazer doutorado e trabalhar, mas era o que tinha.

E ufa! Defendi o trabalho e fui aprovada  no dia 01/12/2016, uma quinta-feira ensolarada! Sim, oficialmente doutora.

Acho que até agora a ficha não caiu direito…

Fica a sensação de dever cumprido?

Em partes, porque a gente sempre quer e acha que poderia ter feito mais e melhor.

Mas fico com a sensação de dever cumprido para com o filme e o diretor. Fiz o meu melhor dentro das possibilidades e sempre com muito respeito por ambos, como se estivesse mesmo mexendo em “solo” sagrado.

Em breve pode ser que me despeça dos personagens e espaços cenográficos que permitiram que a pesquisa e o texto fossem desenvolvidos, e que tanto me ensinaram. Porém, de Koreeda não largo mais! rs

Tanta coisa ainda para explorar nos seus filmes…

 

44876414

Carol

Em meio à folia do carnaval (sqn), assisti Carol ontem à noite.

Confesso que estava esperando filmaço, tinha lido vááárias ótimas críticas, mas mesmo assim, nossa, conseguiu superar qualquer expectativa.

Filme dirigido por Todd Haynes, baseado no livro “The Price of Salt” de Patricia Highsmith (sou fã, ainda não li este trabalho).

A película trata, na década de 50 em Nova York, do encontro e desenvolvimento da relação entre Carol Aird (Cate Blanchett – sempre diva) e  Therese Belivet (Rooney Mara), ambas mara, mara, mara. E mostra o amor entre duas pessoas.

Além de direção e atuações fodásticas, direção de arte e fotografia também são impecáveis.

É o tipo de obra que você não quer que acabe, sabe?

Atenção: exemplo de filme pra ver na telona!

 

Hotel Okura | Tóquio

Li a notícia da demolição do Hotel Okura, cuja arquitetura é representante da época da pós-guerra, e meu coração já ficou apertado.

Apesar de prometerem “reproduzir fielmente” o estilo original, sabemos que não será bem assim..

Por que esta necessidade de botar o local abaixo? Não seria suficiente fazer  restaurações, extensões? Necessidade estúpida de precisar “renovar” o tempo todo…

Este caso me lembra outro, que postei aqui anos atrás…

 

MG 2015.2/ 2016.1| Serviço

SERVIÇO:

Bus

Atualmente somente uma empresa rodoviária faz o trajeto São Paulo x São João del Rei (antes tinha outra), a Util, que na verdade deveria mudar seu nome para Inútil, seria mais adequado…
Comprar as passagens pelo site foi bem complicado, após escolha do dia, horário, poltrona e etc., você preenche os campos com seus dados pessoais e fica esperando que o sistema envie um link para o seu email para validar os dados, só que esse email nunca chega!
Liguei para o SAC, mandei email, e dias depois (!!!???) recebi a liberação para finalizar a minha compra, depois disso é só imprimir os vouchers.
Como não consta de qual rodoviária sai o ônibus de SP, tive novamente que ligar para confirmar (é do Tietê).
Na data da viagem, cheguei cedo, entrei na fila em frente ao guichê para pegar as passagens, conforme consta no voucher, quando a moça informa gritando que a retirada das passagens é no espaço Vip, localizado no andar de baixo, das plataformas de embarque…
Na ida, o ônibus chegou  no horário previsto (7 horas de viagem), mas na volta houve atraso de 1:30 (duração de 9 horas de viagem!!!)…

Ah, só tem o tipo de poltrona normal, nada de leito.

No fim de semana as passagens são mais caras.
Enfim, se for de ônibus para lá, prepare-se para o perrengue… rs
Hospedagem

Foi no Hotel Calcinfer, o preço super foi em conta: quarto suíte (frigobar, ventilador e tv que sintonizava somente Globo, SBT, Record e Band, mas tá valendo) com diária a R$ 70,00 (mesmo na virada). Tem outras opções de quartos.

O bom é que fica a uns 5 min. à pé da rodoviária, mas ao contrário do que consta no site, está a uns 2,5, 3km do centro histórico. Se estiver sozinha, não recomendo voltar à noite sozinha, vá de táxi, o funcionário disse que depois que escurece não é recomendado pegar ônibus.
O funcionário Alessandro é super simpático e prestativo! É ele quem responde os emails e é mais gentil ainda ao vivo e  a cores.
Café da manhã, wifi, e arrumação do quarto ok.
Não é hotel típico para viajantes, vi muitos funcionários da Petrobrás e representantes comerciais.

Perto tem supermercado Armandinho e Sales.

 

Passeio rupestre

Infelizmente não rolou… Foram muitas informações desencontradas.

Alguns disseram que precisava de 7 dias de antecedência para fazer reserva, pois se trata de área de treinamento militar, outros que só seria permitido depois de março, e outros que daria para ir…

Enfim, fica pra próxima

 

Agência de passeios

Apesar de São João e Tiradentes serem turísticas, há sério problema de informação turística confiável e mesmo de agências abertas no fim do ano.

Mesmo que não tenha feito passeios com elas, duas foram as que me responderam por WhatsApp e foram mega prestativas: Uai Trip (agência de Tiradentes), os donos são super atenciosos, respondendo mensagens inclusive à noite; e Rumos e rotas (São João); tem outras que não tem nem site  (galera, estamos em 2016!!), liguei, mandei mensagem, sinal de fumaça, mas nada de resposta…

 

Reveillón em São João

Se você procura agito, comemoração e etc., vá para outra cidade. Na virada tiveram alguns pouquíssimos fogos e só…

Alguns restaurantes estavam oferecendo ceia por R$ 120,00/ pessoa. Em Tiradentes os preços variavam entre esse valor e o dobro.

 

Geral
Talvez seja melhor fazer essa trip depois da virada, quando os lugares turísticos, comércio e agências tiverem voltado a funcionar…

Sobre o tempo, a maioria dos dias foram quentes com sol, algumas noites choveram, algumas poucas manhãs amanheceram nubladas e com chuvisco.

 

Mais fotos > picasaweb.google.com/msugai

MG | Casa das Pedras – dia 7

Arrasada por não ter conseguido fazer o passeio das pinturas rupestres (sim, é possível encontrá-las na região), a consolação do passeio off-road foi visitar a Gruta Casa de Pedra, que fica na BR (estrada nova) entre São João e Tiradentes.

Foi óóótimo! Superou qualquer expectativa.

#turistandoemMG foi fechada com chave de ouro =)

Neste dia não ia rolar este passeio pela agência, mas resolvi arriscar e ir pelo menos até a entrada, já que o dia tinha (de novo) amanhecido nublado.

Depois de pegar o bus na rodoviária de São João, tem que descer bem na “Casa de Pedra”, tem um hotel do outro lado da BR (que é o lugar para voltar para São João), é só descer a rua até o final.

Do lado esquerdo tem a mineradora, e do outro, o portão para a caverna. A partir dele só pode-se entrar com o monitor. Fui com a simpatia do sr. Toninho.

Ele e seu filho têm permissão para fazer o passeio, já que o local pertence à mineradora. Não há incentivo algum por nenhum outro órgão. Inclusive eles é que fazem por conta, por exemplo, os reparos nas passarelas de madeira…

Sobre o passeio, felizmente o grupo era pequeno, então super deu para aproveitar.

Acho que foi minha primeira vez dentro de uma caverna.

Sr. Toninho entrega a touquinha e o capacete com luzinha, mesmo assim é bom levar uma lanterna ou usar o do celular, além de repelente…

Anda-se um tantinho até chegar na entrada da caverna, lá ele dá orientações de que só se deve colocar a mão onde ele orientar, pois há várias aranhas que são imperceptíveis (e são mesmo, mesmo com luz da lanterna você quase não percebe)!! Pode-se usar flash para fotos, desde que não dirigidos diretamente para os morcegos (e como tem bichinhos!), pisar somente onde ele apontar, e não se aproximar dos ninhos de urubus.

892

996

O passeio dura em média 40  minutos, mas acabamos ficando uma hora a mais =P

Estava precisando desse contato com natureza, apesar de rápido.

101810351050

O lugar é muito mara e cheio de histórias que o monitor conta.

902919933

Vá por conta, não precisa ir com agência. Para garantir, ligue e agende (cel. Sr. Toninho (32) 8862-8900. R$ 20,00/ pessoa.

Moedinhas muito bem gastas!!

Se tivesse ficado mais dias, com certeza teria feito de novo.

 

1073